Massagem Ayurvédica: pressãozinha do bem

Imagine uma terapeuta subindo em cima de você, colocando o peso em suas costas. Imaginou?
Pois é com pressões nesse nível que a Massagem Ayurvédica atua. Trazida da experiência de cinco milênios na Índia, a técnica gera esta experiência de conexão intensa com o próprio corpo.
A especialista Giovanna Lamaita, que coordena workshops e cursos na arte da cura pelo toque sensível, amoroso e consciente, nos conta que, além de tratar a dimensão física, esta massagem nos traz uma sensação de equilíbrio interno, que vamos aos poucos integrando em nosso dia-a-dia, melhorando com isso a qualidade de vida, e exalando beleza e bem-estar por aí.


Desenvolvida na Índia há pelo menos 5.000 anos, transmitida de geração em geração através da tradição oral, a Medicina Ayurveda engloba técnicas de purificação e equilíbrio, como dietas, banhos, meditações e massagens.
Significando em sânscrito "Ciência da Vida" ou "Ciência da Longevidade", nesta medicina a cura não é compreendida como um processo apenas físico, mas também, e principalmente, como um processo mental, ocorre de dentro para fora, estando sempre ligada a uma alteração de consciência.

A Massagem Ayurvédica é uma técnica altamente benéfica, que nos traz uma bela oportunidade de transformação no corpo, mente, emoções e espírito. Sua prática parte da coluna vertebral, associando movimentos de massagem e pressões efetuadas com as mãos e com os pés, alongamentos e trações, objetivando vitalizar os órgãos e liberar energia estagnada no corpo.

São utilizados óleos vegetais e essenciais, além de pós-medicinais, que também são eficazes na liberação dos excessos de energia que se acumulam no corpo. Durante toda a massagem, o cliente é solicitado a respirar profundamente, o que leva grandes benefícios ao sistema respiratório. Este também é um dos fatores que a diferencia de outros tipos de massagem, pois o terapeuta deve também respirar profundamente quando a aplica, de preferência sincronizando sua respiração com a do cliente. Todo este processo nos leva a um trabalho onde as energias se encontram, se fundem, e quando realizado com consciência e centramento traz grandes benefícios, tanto ao cliente quanto ao terapeuta.
Além disso, não utilizamos força física para a aplicação da Massagem Ayurvédica e, sim, o nosso peso corporal, o nosso "prana", a força vital que se armazena em nosso Hara. Em todos os movimentos de pressão, efetuados com as mãos ou com os pés, o terapeuta faz uma transferência do seu peso corporal para o corpo do cliente, desta forma evita-se pressão excessiva e também o cansaço por parte do profissional.
Quando fazemos trabalhos com os pés para efetuar a massagem na região posterior do corpo, normalmente utilizamos um banco de madeira como apoio. Além de nos ajudar a "dosar" o peso colocado sobre a área a ser trabalhada, este apoio também nos oferece um maior equilíbrio, pois qualquer erro neste caso pode ser muito perigoso (principalmente quando se "caminha" sobre as costas do cliente).
Na Índia, cordas também são utilizadas como ferramenta de apoio, que são colocadas no teto da sala, e nas quais o terapeuta segura para realizar o trabalho com os pés.
Com esses processos, a técnica busca equilibrar os líquidos intercelulares do corpo (linfa), estabelecer equilíbrio químico nos sistemas do organismo, reequilibrar a postura corporal, fortalecer o sistema imunológico, aliviar tensões, etc. Possui ação antidepressiva, desbloqueia o fluxo de energia vital, emoções reprimidas e proporciona uma saúde mental harmoniosa e um Ser mais meditativo.

Benefícios físicos, mentais e emocionais - No nível físico, um dos primeiros efeitos que se observa é a melhora da circulação sanguínea, que é ativada naturalmente, sem qualquer esforço da pessoa atendida. Ocorre um aumento do fluxo sanguíneo no coração; a pulsação diminui porque o coração passa a funcionar mais lentamente. Esta ativação da circulação sanguínea irriga todos os tecidos com sangue rico em oxigênio e energia, produzindo uma espécie de analgesia natural. Onde houver dor, esta diminui; tudo o que estiver "sem vida", passa a vibrar novamente. O sistema linfático - responsável pela desintoxicação e defesa do organismo - é estimulado, levando à eliminação dos venenos, ácidos e toxinas que se alojaram no organismo, o que contribui para o rejuvenescimento do corpo.
Apesar de a Massagem Ayurvédica ser muito eficaz no alívio de dores no corpo e no equilíbrio de pequenos distúrbios orgânicos, seu maior benefício no entanto acontece no campo mental e emocional, na medida em que vai levando o cliente a uma maior e melhor consciência de seu próprio corpo.

O corpo armazena toda a história de vida, todas as emoções, sentimentos e experiências vividas (sejam elas prazerosas ou desprazerosas), principalmente aquelas das quais não temos consciência e que, normalmente, não são expressas.
Assim, na medida em que o corpo vai sendo massageado e os bloqueios energéticos, emocionais e mentais vão sendo dissolvidos, temos a oportunidade de adquirir uma nova consciência de nós mesmos e do nosso corpo. Vamos percebendo sua linguagem e aprendemos a ouvi-lo melhor.


Esta experiência de conexão com o próprio corpo nos traz uma sensação de equilíbrio interno e bem-estar, que vamos aos poucos integrando no nosso dia-a-dia, melhorando com isso nossa qualidade de vida.
Para que se possa começar a sentir os efeitos da Massagem Ayurvédica é recomendado que o cliente receba de 7 a 10 sessões, que devem ser efetuadas uma vez por semana (se possível). Esta forma de tratamento possibilita que haja um circuito energético completo e que os benefícios sejam mais duradouros. Após estas sessões iniciais, o cliente pode então optar por continuar o tratamento semanal (que irá lhe proporcionar um aprofundamento do trabalho e o conduzirá a níveis mais profundos de consciência corporal e relaxamento), ou passar a um trabalho de manutenção, que pode ser feito com sessões esporádicas (quinzenais ou mensais).
Cada sessão de Massagem Ayurvédica dura de 1 hora a 1 hora e meia, já contando com o período de descanso pelo qual o cliente deve passar ao término da massagem. Aconselha-se que o cliente só tome banho no mínimo após duas horas do término da massagem, para que o corpo possa absorver o máximo possível dos óleos e pós que são utilizados, e para que se evite a perda dos efeitos energéticos do tratamento.

GIOVANNA LAMAITA
Graduada em psicologia pela FUMEC/MG, com formação em Dinâmica de Grupo, Massagem Ayurvédica, Argilaterapia, Reiki 3, Leitura Corporal, Shiatsu e outros
Atualmente dedica-se a facilitar workshops e cursos na arte da cura pelo toque sensível, amoroso e consciente, como Argilaterapia, Massagem Ayurvédica e Zen Shiatsu em várias cidades no Brasil.
Realiza também atendimentos em São Paulo e Belo Horizonte
giolamaitta@hotmail.com
http://www.orkut.com.br/Main#Community.aspx?cmm=32332540
BELO HORIZONTE/BH

Fotos: arquivo pessoal

2 comentários:

luciane disse...

Muito interessante! Parabéns à Giovana! Beijos.

Giovana disse...

Agradeço o carinho Luciane.
Beijos e bênçãos a você e a todos!

 
Série Temática Edição Absoluta/Beleza. COORDENAÇÃO E DESIGN: RICARDO MARTINS. Foto-topo: Jéssica Pulla, bellydancer, clicada por Toni Bassil.